Tanaka  

Coluna do Tanaka

 

Cubanos: vítimas de um sistema de ditadura

Muito tem se falado nos últimos dias sobre o Programa Mais Médicos, envolvendo os médicos cubanos. Importante ressaltar que a sociedade em si não tem direcionado suas críticas aos profissionais que bravamente desempenharam seu papel. O Japonês apurou que em Guarapuava eram 13 médicos do país caribenho, além dos que atuavam em inúmeras cidades da região.

 

Falcatruas petistas

De tudo isso, uma coisa é certa. Será de suma importância que a gestão do governo de Jair Bolsonaro vá a fundo nas investigações, com transparência, para que a população brasileira tenha conhecimento, quanto o governo da ex-presidente Dilma Rousseff destinou de dinheiro à família Castro, em Cuba. Até porque foram destinados recursos também para as obras de ampliação do Porto de Mariel, em Havana, entre outros investimentos, via BNDES. É preciso saber quanto dos valores encaminhados para o Caribe, retornou ao bolso de alguns ilustres políticos.

 

Mudou o presidente, mas o cabide é o mesmo

Outro dia, o Japonês ouviu na Boca Maldita, que “alguns” empresários guarapuavanos estariam revendo seus conceitos de apoio para Associação Comercial e Empresarial de Guarapuava (Acig). Alguns até brincam que mudou a presidência, mas o cabide de empregos continua o mesmo. O comodismo, falta de iniciativas e de inovações, entre outras questões estariam travando o processo de crescimento, impedindo inclusive maior representatividade da entidade.

 

Empolgação ou frustração  

Visitando e conversando com alguns empresários que possuem lojas num shopping do Centro-Oeste do Estado, o Japonês ficou de orelha em pé com os gastos e pouco retorno nos meses em que o empreendimento vem operando. Os mesmos lojistas dizem que a presença de público tem sido muito positiva, principalmente nos finais de semana e feriados, mas o público consumidor, esse tem sido aquém das expectativas.

 

Sandálias da humildade

Recentemente, em uma entrevista à imprensa, o prefeito de Guarapuava, Cesar Silvestri Filho, disse que um shopping precisa despertar numa jovem debutante, o sonho de passar o dia do seu aniversário usufruindo de tudo que o complexo pode oferecer. O Japonês apurou que talvez esteja faltando as “sandálias da humildade” para alguns publicitários que se incorporam como intelectuais.

 

Quintal de casa

Na opinião de alguns profissionais de imprensa, ao invés de investir em divulgações para públicos de Londrina, Curitiba, Maringá e Foz do Iguaçu, o shopping deveria investir na mídia local e regional, que atua em mais de 50 cidades, numa comunicação direta com mais de 500 mil habitantes e um público consumidor que busca diariamente onde fazer suas compras. Senhores, “sandálias da humildade” para todos nós!