VACINAS SALVAM VIDAS  

Campanha de vacinação será reforçada com o Dia D

Quando o governo lança uma ação de saúde como essa é porque existe uma preocupação maior. Entenda e ajude como puder

A mãe Ana não perdeu tempo e levou o pequeno João para tomar a vacina na tarde dessa quinta (16) (Foto: Jonas Laskouski/Extra Guarapuava)

 

Por Jonas Laskouski

 

“Por quantos anos tudo isso deu certo, não é? Nós não víamos essas doenças.
Desde que me formei, a gente via sequelas de pólio, a gente via casos de sarampo na literatura, mas não como vemos hoje em videoconferências, por exemplo. Os casos de sarampo estão acontecendo. E sarampo mata”. O desabafo é da diretora da Divisão de Vigilância Epidemiológica de Guarapuava, Chayane Andrade (foto abaixo). Ela esteve na Redação do Extra essa semana.

 

 

Quem pode confirmar a preocupação da profissional é o Ministério da Saúde,
que nessa terça-feira (14) atualizou as informações – repassadas pelas secretarias estaduais de saúde do país – relacionadas ao sarampo no Brasil (veja no final desta matéria). Outro motivo que agrava a situação é que desde o início da Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo e a poliomielite, que teve início no último dia 6 de agosto, a procura pela vacina está aquém das expectativas. Tanto no país como em Guarapuava. De acordo com Chayane (até a última quarta-feira, 15/08), apenas 10% das crianças do município haviam sido imunizadas. Os números nacionais dão conta que cerca de 84% ainda não foram vacinadas.

 

“DIA D”

Para reforçar a necessidade da vacinação, este sábado (18) será marcado como o “Dia D” de mobilização em todo o país. “Ah, mas a carteirinha do meu filho está em dia”, “ah, mas minhas crianças já tomaram essas vacinas”, “ah, o pediatra disse que está tudo ok”. Presta atenção no que diz Chayane:

“Está acontecendo uma campanha. É uma dose extra. É uma dose além daquelas recomendadas pelo calendário normal de vacinação das crianças. Por que? Pelo momento que estamos vivendo. Pela questão das doenças estarem ressurgindo, pela preocupação nacional com essas duas doenças. Independente da criança ter recebido as doses de rotina, ela tem que receber essa dose da campanha”.

Por isso, senhores pais e responsáveis, se torna uma obrigação proteger seus pequenos. Principalmente, quando o governo lança uma campanha como essa.

Neste sábado do “Dia D”, em Guarapuava, todas as Unidades Básicas de Saúde (exceto Feroz e Rio das Pedras, UPA do Batel e a Urgência do Trianon) estarão abertas somente para isso, fazendo somente a vacinação. A campanha vai até o dia 31 de agosto.

“E se eu perder o prazo, o que acontece?” Você perde a oportunidade de proteger os seus nesse período, uma proteção além. Por este momento, é uma questão de uma proteção maior, de garantir que a criança tomou todas as doses e que ela realmente está protegida.

 

PARCERIAS

O esforço é grande e boa parte da sociedade está se engajando na campanha, inclusive para combater as notícias falsas que circulam, principalmente, nas redes sociais. O Rotary Club Guarapuava, por exemplo, em parceria com a Pérola do Oeste, estará realizando uma ação também no sábado (18). Das 8h às 17h, no Terminal da Fonte, os voluntários vão distribuir material informativo, conscientizando quem passar por lá sobre a importância da vacinação contra a poliomielite. Sem esquecer do sarampo, claro. Nas linhas do transporte coletivo, os cobradores também farão a distribuição do material.

 

 

O que você pode fazer para ajudar? Além do que você já leu – que se resume basicamente a proteger as crianças – não compartilhe boatos sobre possíveis malefícios da vacinação. Isso não existe. Com respaldo técnico de equipes especializadas, o Ministério da Saúde garante que a vacinação é segura, sendo que seu resultado não se resume a evitar doenças. Vacinas salvam vidas. A recomendação é: não dê ouvidos às notícias falsas. “Não podemos deixar que doenças já erradicadas no Brasil voltem a assombrar as nossas crianças!” Lembrem-se que a saúde não é uma responsabilidade exclusiva do Ministério da Saúde, das secretarias, dos profissionais e dos médicos. É de todos nós.

 

SOBRE OS NÚMEROS DO SARAMPO

Atualmente, o país enfrenta dois surtos de sarampo, em Roraima e Amazonas. Até o dia 14 de agosto, foram confirmados 910 casos de sarampo no Amazonas, sendo que 5.630 permanecem em investigação. Já o Estado de Roraima confirmou 296 casos da doença e 101 continuam em investigação. Entre os confirmados, 17 casos foram atendidos no Brasil e
recebendo tratamento, mas residem na Venezuela.

Os surtos estão relacionados à importação, já que o genótipo do vírus (D8) que
está circulando no país é o mesmo que circula na Venezuela, país que enfrenta
um surto da doença desde 2017. Alguns casos isolados e relacionados à
importação foram identificados nos estados de São Paulo (1), Rio de Janeiro
(14), Rio Grande do Sul (13), Rondônia (1) e Pará (2). O Ministério da Saúde
permanece acompanhando a situação e prestando o apoio necessário aos
Estados. Cabe esclarecer que as medidas de bloqueio de vacinação, mesmo em casos suspeitos, estão sendo realizadas em todos os Estados.

Até o momento, no Brasil, foram confirmados 6 óbitos por sarampo, sendo 4
óbitos no Estado de Roraima (3 em estrangeiros e 1 em brasileiro) e 2 óbitos
no Estado do Amazonas (brasileiros).

Para mais informações, você pode acessar as páginas especializadas
sobre sarampo e poliomielite no portal do Ministério da Saúde.