AINDA SOBRE AS ELEIÇÕES  

Maioria dos eleitores guarapuavanos elegem Bolsonaro

O candidato eleito pelo PSL obteve 57,33% dos votos válidos no município. O Movimento Bolsonaro Guarapuava, o MBG, comemorou bastante. Polly Lima, uma das apoiadoras mais entusiasmadas, falou ao Extra

O Movimento Bolsonaro Guarapuava (MGB) acreditou, trabalhou pela vitória e comemorou. Todos foram voluntários na campanha (Foto: Reprodução/Facebook)

 

Jonas Laskouski

 

56.654 guarapuavanos, dentro de um universo de 127.757 eleitores aptos a votar no município, ajudaram a eleger o candidato do PSL, Jair Bolsonaro. O novo presidente da República Federativa do Brasil, 38º de nossa história, recebeu 57,33% dos votos válidos. Já o petista Fernando Haddad obteve 42,67% dos votos. Votos nulos e brancos somaram, respectivamente, 1,97% e 3,95%.

Ainda de acordo com a Justiça Eleitoral, de 100% dos votantes em Guarapuava, 16,47% não compareceram às urnas nesse domingo histórico, 28 de outubro de 2018.

O resultado oficial da votação do segundo turno começou a ser divulgado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) às 19h de ontem, mas o foguetório já comemorava a vitória do capitão de reserva do Exército. Milhares de guarapuavanos foram às ruas e o buzinaço foi iminente.

Na Praça Cleve, onde fica o QG do Movimento Bolsonaro Guarapuava (MGB), a alegria dos apoiadores voluntários estava estampada no rosto de cada um. Para a apresentadora e colunista, Polly Lima, uma das mais ferrenhas e entusiasmadas apoiadoras desde que Bolsonaro cogitou se lançar à presidência, o momento foi emocionante.

“Quando estava a caminho da Praça Cleve, ouvi pelo rádio que Bolsonaro estava eleito. A primeira reação foi de euforia, alegria, correr pegar os foguetes! Eu abraçava todo mundo, agradecia a todos que estavam ali, abraçando quem até eu não conhecia mas me sentia grata por estarem lutando ao nosso lado. Quando tocou o Hino Nacional, veio a sensação de alívio, dever cumprido e eu só pude pensar em uma frase “Deus cuida de nós, que nós cuidaremos desse país”.

 

O choro, segundo Polyy, foi inevitável. “Cantei o hino olhando para a bandeira hasteada num colégio próximo, e não pude conter as lágrimas. Eu chorei, chorei muito… Eu olhava em torno de mim e muita gente chorava também. Os policias da Choque se olhavam e sorriam, e eu senti aquela sensação de “salvamos uma nação, nós somos muito f*** mesmo”. Era a única coisa que eu pensava, olhando toda aquela gente patriota. Jovens que antes viviam na inércia, ali gritando “Brasil” chorando abraçados à bandeira me arrepiou.

Nos devolveram o patriotismo, a gente lutou bravamente, perdemos pessoas que nós amávamos por uma causa, você tem noção disso? Laços afetivos foram desfeitos, e sabe por quê? Porque nunca foi tão difícil convencer o povo que roubar é errado. Mas conseguimos, e com certeza depois dessa lição de bravura, grandeza e amor à pátria, seremos brasileiros melhores como pessoa. (ai tô chorando de novo)… Brasil acima de tudo Deus acima de todos”

 

NO PARANÁ E NO BRASIL

Jair Bolsonaro venceu em 307 das 399 cidades do Paraná, enquanto seu adversário teve maioria dos votos em 92 municípios. Desta vez, não houve nenhuma cidade com empate – no primeiro turno, Amaporã, Noroeste do Estado, foi o único lugar no país onde os dois acabaram com a mesma votação: 1.191 votos cada. Jair Messias Bolsonaro interrompeu um ciclo de vitórias do PT que vinha desde 2002.

 A vitória foi confirmada às 19h18, quando, com 94,44% das seções apuradas, Bolsonaro alcançou 55.205.640 votos (55,54% dos válidos) e não podia mais ser ultrapassado por Haddad, que naquele momento somava 44.193.523 (44,46%). Com 100% das seções apuradas, o presidente eleito recebeu 57.797.073 votos (55,13%) e Haddad, 47.039.291 (44,87%).

No discurso da vitória, Bolsonaro afirmou que o novo governo será um “defensor da Constituição, da democracia e da liberdade”.