Educação  

Secretaria da Educação atende pedido de deputada e Guarapuava terá Colégio Militar

Após pedido da deputada Cristina Silvestri (PPS), Secretaria da Educação autorizou instalação de Colégio Militar no município

O secretário de Estado de Educação, Renato Feder, atendeu a pedido da deputada Cristina Silvestri (PPS) e autorizou a implantação de uma unidade do Colégio Militar em Guarapuava. O sinal verde para implantação foi dado nesta quinta feira (21), em reunião na sede da Secretaria, em Curitiba, na presença de vereadores de Guarapuava e, também, da secretária de Educação do município, Doraci Senger Luy.

“O Estado entendeu a necessidade de implantação, principalmente, por conta da localização estratégica de Guarapuava, e autorizou a inclusão do nosso município na rota do Estado para implantação desse colégio. A expectativa do Estado é que as aulas possam começar no início de 2020”, explica a parlamentar.

No início desta semana, Cristina Silvestri também debateu o mesmo tema com o Comandante da Polícia Militar do Paraná (PM-PR), Péricles de Matos, que já esteve à frente do 16º Batalhão da Polícia Militar de Guarapuava e conhece a necessidade e importância desse colégio para o município e para a região. “Nessa conversa, o Péricles já tinha entendido a demanda e, da parte dele, autorizado o processo, mas não dependia só dele”.

A partir desta autorização do Estado, o Núcleo Regional de Educação (NRE) de Guarapuava irá iniciar um estudo para verificar quais escolas estaduais possuem estrutura para passar a ter a administração militar. Na Câmara de Guarapuava, será marcada uma Audiência Pública para debater o tema junto à população.

“Nós precisamos tomar essa decisão em conjunto. Ouvir a população, para saber quais colégios podem sediar a unidade”, explica a deputada. A partir da instalação, os alunos interessados irão passar por processo de seleção.

“O processo de entrada nesses colégios é diferente de uma escola estadual comum, que é feito por georreferenciamento. Será uma grande conquista para a nossa educação”, comemora Cristina, lembrando que sua luta pela implantação começou em 2017.

Fonte: RSN