SOCIAL  

Portaria publicada limita horário de atendimento do IML

Outro agravante é que os exames de violência sexual somente serão feitos até às 22 horas ou a partir das 8 horas do dia seguinte

Os corpos que derem entrada no Instituto só serão liberados até as 22 horas durante a semana e às 20 horas no sábado e domingo

Uma determinação do diretor adjunto do IML/PR, Alexandre Mikos, está causando grande polêmica em todo o Paraná no trabalho desenvolvido pelo Instituto Médico Legal (IML).

De acordo com a Portaria nº 009/18/IML, fica estabelecido como horário de perícia e liberação de cadáveres de segunda a sexta das 08 às 22 horas; e aos sábados e domingos das 08 às 20 horas para perícias e até 22 horas para liberações.

Com a determinação do diretor adjunto, o IML de Guarapuava não irá mais liberar corpos aos familiares entre às 22 e às 08 horas do dia seguinte, o que causa um grande transtorno aos 23 municípios da área de atuação do IML guarapuavano.

Angústia

Como exemplo do transtorno que a determinação causa, o IML de Guarapuava foi acionado nesta segunda-feira (03) para recolher o corpo de uma jovem que morreu afogada em Prudentópolis. Além das 05 horas que levou para a remoção do corpo, a família somente pode realizar o reconhecimento e a liberação na terça- feira (04). Os familiares da vítima passaram a madrugada toda sofrendo com a angústia pela liberação.

Outra situação agravante são os casos de violência sexual. Os exames somente serão feitos até às 22h ou a partir das 08h do dia seguinte, e somente após esse período as vítimas poderão tomar banho.
A determinação do diretor adjunto foi feita na última sexta feira (30) e já está em vigor em todo o Estado. As remoções dos corpos continuam sendo realizadas 24 horas por dia.